Pages

24 de fev de 2012

A vida após 11 de setembro


2 INDICAÇÕES AO OSCAR: MELHOR FILME E MELHOR ATOR COADJUVANTE

Contrata dois atores premiados do cinema, uma criança, um roteiro excelente e um fato real; junte, e você terá um filme extremamente poderoso: Tão Forte e Tão Perto (Extremely Loud and Incredible Clouse, 2011). Dirigido por Stephen Daldry (As Horas, Billy Elliot e O Leitor), Tão Forte e Tão perto nos apresenta uma comovente história de um garoto em busca de uma resposta, ou solução, para desvendar um mistério, ou uma saída, para a sua tristeza após a perda de seu pai no maior atentado terrorista da história mundial. No elenco estão Sandra Bullock, Tom Hanks, Max Von Sydow, Thomas Horn, Viola Davis e John Goodman

Oscar (Thomas Horn) perdeu seu pai, Thomas Schell (Tom Hanks), nos atentados de 11 de setembro nas Torres Gêmeas. Um ano depois, Oscar encontra uma chave no armário de seu pai,  e decide ir em busca da fechadura pela cidade de Nova York, onde acaba conhecendo várias pessoas que podem saber algo sobre essa misteriosa chave. 


Tão Forte e Tão Perto já entrou na lista dos meus filmes preferidos. É um filme tocante, comovente, com uma história triste e com aqueles ditados que sempre fazem sentido. Todos os atores estão maravilhosamente extraordinários, mas a grande revelação do filme é a atuação de Thomas Horn, que interpreta o garoto em busca da fechadura da misteriosa chave. Seu personagem é extremamente chato e irritante, mas não conseguimos sentir empatia com ele. As cenas que ele fala rápido; as cenas que ele fica revoltado com a perda de seu pai; as cenas quando ele fala com as pessoas; seus olhares; suas reações. Sua atuação é impressionante e tocante, e passa para o espectador todo o drama de seu personagem de uma forma assustadora. É uma atuação de gente grande. Max Von Sydow, que interpreta o misterioso "inquilino", foi indicado ao Oscar de ator coadjuvante por sua atuação. Em uma determinada parte do filme, ele parte em busca da fechadura com o garoto, resultando nas cenas mais engraçadas do longa. O personagem é mudo e escreve em seu caderno tudo o que ele fala. Sandra Bullock aparece bem pouco na trama, mas o pouco que aparece consegue chamar a atenção do espectador. Oscar era  mais ligado em seu pai, e a relação de Linda Schell (Sandra Bullock) com seu filho, após a morte de Thomas, piora, fazendo o garoto se afastar de sua mãe cada vez mais quando parte em busca do segredo da chave. As cenas das discussões e brigas de Linda com seu filho são comoventes, e dos dois juntos em cena é de arrepiar. A parte final quando Linda faz uma "revelação", é sensacional. E Tom Hanks, que aparece pouquíssimo no filme, mas consegue comover o espectador com as cenas juntas com o seu filho. Thomas atiça o seu filho com perguntas e com o espírito de investigação, fazendo o garoto se tornar inteligente ao buscar as respostas dos enigmas. 


O roteiro de Tão Forte e Tão Perto é um dos mais interessantes que eu já vi, prendendo a atenção do espectador na busca pelo segredo da chave. Através da curiosidade que Thomas deixava para o seu filho, Oscar encontra uma chave em um envelope, com uma palavra: "Black". Decidido que a palavra é o sobrenome de alguma pessoa, ele parte em busca de todas as pessoas com esse sobrenome que moram em Nova York. Cada pessoa que ele visita, tem uma história, um drama, e alguns, uma perda. E é nisso que o roteiro se baseia durante suas duas horas de duração. Ao mesmo tempo, o filme recria as situações e imagens dos atentados às Torres Gêmeas no fatídico dia 11 de Setembro, que surgem entre as lembranças de Oscar com seu pai. Ainda, o roteiro é repleto de detalhes extraordinários e que deixam o filme ainda melhor e que fazem todo o sentindo ao desenrolar da história, ajudando a tornar Tão Forte e Tão Perto um filme imperdível. Oscar parte em busca da fechadura da chave, esperando encontrar uma mensagem de seu pai. Mas será que a simbologia que a chave apresenta, é realmente essa? Será que ele vai encontrar? Junte as peças do filme, e descubra. 



Prepare-se para uma história extremamente impressionante, tocante, comovente, sensível e repleto de surpresas. Tão Forte e Tão Perto é mais do que um filme sobre os atentados de 11 de setembro, é uma história que mostra o resultado do ataque terrorista na população de Nova York, especialmente daqueles que perderam algum parente nesse incidente, que nesse filme, é representado por uma simples família. É um filme forte onde cada detalhe tem ligação com a parte final. SPOILER A parte quando Oscar ouve a última ligação de seu pai, no dia do desastre, e logo quando cai a ligação, o prédio das Torres Gêmeas desmorona, é de arrepiar. SPOILER. Tão Forte e Tão perto é um filme imperdível; não deixe de assistir, até porque, Sandra Bullock e Tom Hanks no mesmo filme, NOSSA.  Acho que deveria ter sido indicado na categoria de Roteiro Adaptado também. 
















20 de fev de 2012

O segredo de Hugo


11 INDICAÇÕES AO OSCAR: MELHOR FILME, DIREÇÃO, ROTEIRO ADAPTADO, FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, MONTAGEM, TRILHA SONORA, FIGURINO, EFEITOS VISUAIS, SOM E EFEITOS SONOROS.

Ao sair a lista dos indicados ao Oscar 2012,  me perguntava: como pode um filme infantil, e em 3D, ser o campeão de indicações? A resposta é a seguinte: A Invenção de Hugo Cabret (Hugo, 2011) é uma homenagem ao cinema, especialmente para os primeiros filmes criados, dos irmãos Lummiére e o grande homenageado do longa, o visionário Georges Mélies. Dirigido por Martin Scorcese, A Invenção de Hugo Cabret nos apresenta, bastante, a história do cinema sobre o olhar de duas crianças órfãs que buscam desvendar um segredo. No elenco estão Asa Butterfiel, Sacha Baron CohenHelen McCrory Ben Kingsley, Jude Law e Emily Mortmmer. 

Hugo (Asa Butterfiel) é um jovem garoto órfão que perdeu seu pai, Jude Law, num incêndio. Ele foi morar com seu tio, que acabou desaparecendo, no relógio da estação de trem da maravilhosa Paris nos anos 30, onde tem mantido o relógio funcionando em segredo. Ele acaba conhecendo Isabelle (Chloe Moretz) e um senhor rabugento, Papa Georges (Ben Kingsley), que trabalham na mesma estação. Hugo encontra um segredo em um pequeno robô encontrado por seu pai em um museu, e descobre que Isabelle e Georges tem ligação, levando os dois garotos órfãos à decifrar sobre um dos grandes pioneiros do cinema mundial: Georges Mélies. 


A Invenção de Hugo Cabret é um filme onde, acredito eu, que somente os fans de cinema vão apreciar e entender toda a história do longa. O filme de Scorcese demora um pouco para engrenar na história, apresentando sobre os variados personagens, mas que todos tem algo em comum: a busca para encontrar respostas sobre seu passado. Esses personagens tem tramas paralelas com a de Hugo, já que todos frequentam a estação de trem. Hugo é um menino órfão que perdeu seu pai e mora sozinho. Ele conhece Isabelle, que nunca conheceu seus pais e que mora com seu tio, Papa Georges, que tem um passado misterioso, e sua tia, Jeanne (Helen McCrory). Ainda tem o policial que busca por crianças órfãos, interpretado por Sacha Baron Cohen (de Borat e Bruno), que também é órfão e tem sua perna machucada por causa da guerra. São todos esses dramas desses personagens, apresentados de forma singela e simples, relacionados com a história do cinema, que fizeram o longa ser o recordista de indicações.

O filme foi rodado com um excelente 3D, daqueles que vale a pena ser apreciado no cinema, e olha que o filme não tem cenas de ação e objetos partindo para a frente da tela. Scorcese usou o mesmo sistema de câmeras que James Cameron usou em Avatar, e que também foi usado em Resident Evil 4: Recomeço. A direção de arte e o figurino também são pontos fortes do filme, onde o diretor e sua equipe conseguiram criar o universo de Hugo e passando com bastante realismo, do livro para as telonas. Além disso, a atuação sensível e doce de Asa Butterfiel (Hugo) é cativante, nos fazendo torcer para o seu personagem Hugo descobrir o segredo do pequeno robô. Durante a pesquisa sobre Georges Mélies, o diretor mostrou trechos das principais obras de Mélies, maravilhosamente transportados para o 3D, mostrando para aqueles que nunca tinha vistos os filmes, e também para aqueles que nem sabiam de sua existência. 


A Invenção de Hugo Cabret é claramente uma homenagem ao mundo do cinema, sendo esse o principal motivo da indicação de melhor filme, além de ser o recordista de indicações. Martin Scorcese nos apresenta a história do cinema de uma forma simples, fácil de se entender, sobre o olhar inocente de duas crianças órfãs , em busca de aventura na tentativa de desvendar um segredo relacionado com a criação do cinema. É uma história cativante, simples, inocente, impossível de, pelo menos, não se emocionar. Apesar de se um pouco parado, o longa termina de uma forma bela, e com um final feliz, que não existe só no cinema. Os fans de cinema vão se apaixonar pela história e pelas lembranças que Scorcese busca sobre a invenção do cinema e a fascinação pelo novo meio de entreter as pessoas, que é usado até hoje, e sempre será. 













Declínio de um ator


10 INDICAÇÕES AO OSCAR: MELHOR FILME, ATOR, ATRIZ COADJUVANTE, ROTEIRO ORIGINAL,  MONTAGEM, FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO E TRILHA SONORA

Em época onde o 3D toma conta das salas de cinema, um filme preto e branco e mudo, está se destacando no  meio de todos, sendo um dos favoritos, alguns dizem que é o principal, ao Oscar de Melhor Filme: O Artista (The Artist, 2011). Sim, um filme preto, branco e mudo, com uma trilha sonora constante o filme todo e frases curtas que já falam por toda a cena, ação, lágrimas, risos, tudo moderadamente exagerado para demonstrar a cena. O longa do diretor francês Michel Hazanavicius é uma homenagem ao cinema mudo, não só por ter sido feito nas condições da época, e sim, por um simples fato de mostrar a transição do cinema mudo para o falado, mostrando a decadência dos grandes artistas do cinema mudo com esse importante fato do cinema. No elenco estão Jean Dujardin, Berenice Bejo, John Goodman, James Crowmel,  Penelope Ann Miller e o cachorro Uggy

George Valentim (Dujardin) está no auge de sua carreira do cinema mudo, e acaba conhecendo Peppy Miller (Berenice Bejo), uma simples garota, fan de George, que logo consegue fama no mundo do cinema. Mas o seu produtor, All Zimmer (Goodman) percebe uma grande mudança no cinema: a transição do cinema mudo para o falado. George, orgulhoso de seus filmes, não aceita essa mudança, acreditando que essa moda será passageira. Tempos passam e cada vez mais as pessoas preferem o cinema falado, levando George à falência e a depressão. 


Quem assistir O Artista, irá estranhar e achar um pouco entediante. Não que o filme seja ruim, mas pelo fato de estarmos acostumados com falas, cores e efeitos especiais. Embora tenha ficado cansado em algumas partes, é incrível como o filme consegue demonstrar as emoções vividas pelos atores; uma expressão vale mais do mil palavras. E não é complicado de entender o enredo, pelo contrário: é uma história simples, direta, honesta, com partes engraçadas, tendo o drama como principal elemento durante o filme todo. As atuações dos atores são espetaculares e iguais, em todos os detalhes, a dos atores do cinema mudo. Cada expressão, cada sorriso, cada risada; tudo perfeitamente original. Jean Dujardin e Berenice Bejo conseguem transportar o espectador para o cinema mudo, nos fazendo imaginar como era essa época do cinema. Eles tem atuações incríveis, e me surpreendi bastante com isso; são quase melhores do que vários dos indicados. Não deve ser fácil fazer um filme onde a expressão facial vale mais do que uma fala. E não se pode esquecer o querido, fofo e magnífico cachorro Uggy, amigo e parceiro de George Valentim em seus filmes, e na vida real. 


Mas O Artista não é o favorito ao Oscar desse ano só por causa de ser um filme mudo e preto e branco. Assim como A Invenção de Hugo Cabret é uma homenagem ao cinema, dedicado ao visionário Georges Méliès, O Artista também é uma homenagem ao cinema, mas agora, dedicando essa homenagem ao cinema mudo e sem cores, mostrando a decadência de um ator durante a transformação do cinema mudo para o falado. Acredito que esse seja o principal motivo para o favoritismo. O filme todo é sem falas e sem cores, com exceção de duas partes, que continuam em preto e branco, mas que dizem muito sobre essa grande mudança no cinema: em um pesadelo de George, ele está em um de seus filmes, e o som de passos, risadas, objetos batendo o fazem ficar assustado; além da cena final, terminando com chave de ouro a produção, apresentando menos de dez falas, e mostrando, não só a transformação do cinema mudo para o falado, mas também do surgimento dos musicais.

Para nós que vivemos numa época de efeitos especiais, é estranho assistir a um filme como O Artista, já que não estamos acostumados; já imaginou viver numa época onde não existia o 3D e nem cor e falas em filme? Veja o filme e descubra como era viver nessa época. Após assistir o filme, minhas dúvidas acabaram: O Artista será o grande campeão do principal prêmio do Oscar 2012














16 de fev de 2012

Especial filmes "Found Footage"

Filmes no estilo "Find Footage" (Filme Encontrado), ou falso documentário, apesar de serem em número ainda pequeno, tem tomado conta de Hollywood, e no mundo. Esse estilo é aplicado no gênero terror/ suspense. Tudo começou em 1999 com o lançamento de A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project), filme que se tornou um fenômeno na época, sendo o filme independente de maior bilheteria da história do cinema. A ideia era simples: pegar uma câmera comum, fazer um falso documentário, e lança-lo no cinema, avisando que as imagens foram encontradas e editadas para virar um filme. Anos se passaram, e Hollywood não investiu nesse gênero, que na minha opinião, é um dos mais interessantes e inovadores. Até que em 2007, um terror espanhol chamado REC estreou e aterrorizou toda a Europa, e Hollywood se animou e resolveu lançar o filme Cloverfield - Monstro (Cloverfield, 2008) e logo depois, o fenômeno Atividade Paranormal (Paranormal Actvity, 2009). Pronto: a partir dai, vários filmes estrearam nos cinemas, com diversos temas e com uma promessa de inovar o gênero do terror. 

Esse novo gênero, ou subgênero do Terror, não parece dar sinais de cansaço, e cada ano surgem alguns filmes na tentativa de atrair o público para as telonas. O mais recente é A Filha do Mal (The Devil Inside, 2012), massacrado pela crítica, mas que se deu muito bem nas bilheterias. Confira as 10 maiores bilheterias dos filmes nesse estilo, nos EUA, com um breve comentário. A lista é do site Box Office Mojo. Logo em baixo, saiba sobre outros filmes lançados. 


10) APOLLO 18

Lançamento: 2011
Faturamento: EUA: U$ 17 milhões | Mundialmente: U$ 23 milhões


Apollo 18 mostra uma equipe de astronautas que é mandado à Lua para uma investigação "desconhecida". A nave Apollo 17 foi a última nave a ser lançada com missão à lia, mas há indícios que a NASA enviou mais uma nave secretamente, a Apollo 18, com dois tripulantes
para uma missão secreta. As filmagens foram encontradas, editadas e o filme mostra o que aconteceu na missão, que seria o motivo da NASA não ter mandado mais o homem para a Lua. Apollo 18 consegue inovar no gênero, que já está muito batido: ao invés de a história ser de terror, com monstros, zumbis ou espíritos, o filme foca na ficção científica. Não tem tanta tensão como nos outros filmes, mas o mistério é bem maior, sem falar das cenas que os astronautas caminham na Lua, que parecem ser bem reais e assustadoras. O mistério do que existe na Lua só é revelado nos 10 minutos finais, e apesar de muita gente não ter gostado, achei muito interessante e assustador. Fica a dica para quem curte esse gênero e quiser ver algo diferente dos outros filmes. Mas fica atento que o filme não dá muita explicação, e acaba de uma forma muito idiota, assim como todos os filmes; mas pelo menos a câmera não cai no chão.






9º) PODER SEM LIMITES (CHRONICLE)

Lançamento: 2012
Faturamento: EUA: U$ 25,3 milhões


Ainda inédito no Brasil (previsão de estreia para 24 de Fevereiro), Poder Sem Limites parece ser bem diferente dos outros filmes, por não tratar de um terror. A história mostra três amigos que tem super poderes e filmam tudo o que fazem com uma câmera. A medida que vão testando seus poderes, os problemas aumentam, e eles tem que saber lidar com isso antes que essas brincadeiras se tornem mais perigosas. 





8°) QUARENTENA

Lançamento: 2008
Faturamento: EUA: U$ 31 milhões | Mundialmente: U$ 41 milhões


Quarentena é a refilmagem americana do filme espanhol REC, que foi lançado em 2008. A história e o enredo são praticamente os mesmos do que o original, mas com algumas cenas diferentes. A tensão e os sustos estão presentes, assim como o sangue e a violência também, até um pouco mais, já que se trata de uma refilmagem americana. Na história, uma estudante de jornalismo está fazendo uma reportagem para um canal de TV sobre a vida dos bombeiros, Eles acabam recebendo um chamado de uma mulher num prédio que aparentemente está morta. Ao chegar lá, eles são atacados e cada um começa a se transformar, e acabam ficando presos dentro do prédio. Não dá para dizer que é um filme ruim, mas é bem inferior à versão original.





7º) O ÚLTIMO EXORCISMO

Lançamento: 2010
Faturamento: EUA: U$ 41 milhões | Mundialmente: U$ 67 milhões


O Último Exorcismo se assemelha muito ao filme A Bruxa de Blair, porque realmente parece ser um documentário, mostrando entrevistas com a população da cidade, que contam sobre a família da garota que está possuída. Na história, o padre Marcus sempre realizou exorcismos, mas acabou perdendo a sua fé e a vontade de realiza-los. Ele é famoso no ramo, e acaba recebendo uma carta de um pai desesperado por sua filha estar possuída pelo demônio. O padre aceita, com a condição de ficar filmando e que esse é o último exorcismo que realizará. Sangue, violência, tensão, loucuras; todos os elementos presentes nos filmes sobre exorcismo estão presentes, e ainda, o filme puxa elementos do clássico O Bebê de Rosemary. A cena final é bem assustadora e chocante, e é o que salva o filme. O Último Exorcismo não é um dos melhores filmes desse estilo, mas para quem gosta de filmes sobre exorcismos, estará bem servido.





6°) A FILHA DO MAL (THE DEVIL INSIDE)

Lançamento: 2012
Faturamento: EUA: U$ 53 milhões


A Filha do Mal foi massacrado pela crítica nos EUA, mas fez um enorme sucesso por lá. A história acompanha Isabella, que busca respostas sobre sua mãe, que está internada por ter matado três pessoas durante um exorcismo feito nela. O documentário mostra ainda dois jovens padres que estudam sobre exorcismo, e resolvem ajudar Isabella em busca de suas respostas. Mas a situação começa a piorar, e todos os envolvidos correm perigo cada vez mais que se aprofundam nesse  mistério. Protagonizado pela atriz brasileira Fernanda Andrade, A Filha do Mal explica bastante sobre exorcismos e sobre a vida da mãe de Isabella, para depois mostrar as cenas de exorcismo. O filme acaba assim como os outros filmes, de repente e sem nexo nenhum; mas as cenas de exorcismos são bem assustadoras, apesar de não acontecer muita coisa. A Filha do Mal ainda está em cartaz nos cinemas brasileiros. 





5º) CLOVERFIELD - MONSTRO

Lançamento: 2008
Faturamento: EUA: U$ 80 milhões | Mundialmente: U$ 170 milhões


Cloverfield - Monstro foi o primeiro filme, lançado mundialmente, depois de A Bruxa de Blair. O longa, produzido por J.J. Abrahns (da série LOST e do recente Super 8), foi anunciado como uma mistura de A Bruxa de Blair com Godzilla, de Roland Emmerich, tendo uma ótima divulgação mundialmente. Na história, que se passa em Nova York, um grupo de amigos prepara uma festa para seu amigo que está se mudando para um outro país. Um cara está filmando a festa, e logo a luz se apaga e acabam ouvindo explosões. Eles tentam fugir do local, e acabam descobrindo que um monstro invadiu a cidade. Nova York começa a ser evacuada, e eles tem que fugir da cidade mais rapido possível, e claro, documentando tudo o que acontecer. Cloverfield é o segundo melhor filme desse estilo, para mim. É impossível não ficar aflito com tudo o que acontece, e as cenas tensas e impressionantes, com excelentes efeitos especiais. Realmente o diretor conseguiu fazer um filme assustador e muito tenso. A cena da perseguição de baixo do tunel do trem é uma das melhores do longa.






4º) ATIVIDADE PARANORMAL 2 (PARANORMAL ACTIVITY 2)

Lançamento: 2010
Faturamento: EUA: U$ 84,7 milhões | Mundialmente: 177,5 milhões


Atividade Paranormal 2 é bem mais assustador do que o primeiro, lançado em 2009, e acontece mais coisas sobrenaturais. Se o primeiro você achou fraquíssimo, esse segundo foi uma salvação. A história dessa sequência se passa antes do primeiro, mostrando como a maldição chegou até Katie e seu namorado, personagens do primeiro longa. Agora, é a irmã de Katie, Kristie, ser atormentada junto com seu marido, os dois filhos e até o cachorro da família, a cadela Abby. Mais tenso e assustador do que o primeiro Atividade Paranormal 2 não poupa nem o cachorro e a criança de dois anos. Se o primeiro foi chato e não acontecia nada, prepare-se para esse segundo, e se apavore mais ainda, porque suas noites nunca mais serão as mesmas. 






3°) ATIVIDADE PARANORMAL 3 (PARANORMAL ACTIVITY 3)
Lançamento: 2011
Faturamento: EUA: U$ 104 milhões | Mundialmente: U$ 205 milhões


Se o primeiro você achou que não aconteceu nada, e se assustou bastante com a sequência, prepare-se ainda mais para Atividade Paranornal 3. Mais cenas assustadoras e tensas, mais sustos, mais medo. A terceira parte da série que já virou mania mundial, se passa antes dos dois primeiros filmes, mostrando as irmãs Katie e Kristie ainda pequenas, explicando como surgiu a maldição entre elas. De longe, Atividade Paranormal 3 é o melhor da série, com cenas  mais empolgantes e assustadoras do que todos os dois juntos. Praticamente todas as cenas são assustadoras e impressionam, e será impossível não ter medo em alguma cena. O destaque fica para um novo posicionamento da câmera, em cima do ventilador, que dá uma visão mais ampla e assustadora, com bastante suspense. Fique atento, porque terá mais um filme da série. Será que vão explicar sobre o paradeiro de Katie? 






2°) ATIVIDADE PARANORMAL (PARANORMAL ACTIVITY)
Lançamento: 2009
Faturamento: EUA: U$ 107,9 milhões | Mundialmente:  U$193,3 milhões


O primeiro filme da franquia fez um enorme sucesso em 2009. Inicialmente lançado em apenas 12 cinemas nos EUA e em poucos lugares pelo mundo, Atividade Paranormal foi ganhando fama, além da intensa campanha de marketing, dizendo para o espectador pedir a exibição em sua cidade; e com isso, rapidamente se tornou um fenômeno mundial. Com um orçamento inferior a U$ 1 milhão, o filme se tornou um sucesso de bilheteria, alcançando quase a arrecadação do pioneiro dos filmes found foutage: A Bruxa de Blair. O mais fraco de todos os filmes, a primeira parte apresenta poucas cenas interessantes e impressionantes, sendo apenas os últimos 10 minutos que algo realmente acontece. Mas mesmo assim, dá para sentir algum medo. A história acompanha o casal Micah e Katie, que são assombrados por uma estranha força paranormal. 






1°) A BRUXA DE BLAIR (THE BLAIR WITCH PROJECT)
Lançamento: 1999
Faturamento: EUA: U$ 140,3 milhões | Mundialmente: U$ 248,3 milhões


O filme que deu início à moda dos filmes Found Foutage, A Bruxa de Blair não foi só um fenômeno nas bilheterias, mas também foi uma febre  mundial jamais vista. Milhares de pessoas iam até a floresta de Burttkisville, onde o filme foi rodado, e todos queriam descobrir sobre o segredo da bruxa que vagava lá. Muitos acreditavam que tudo era real, inclusive eu, mas logo tudo foi desmentido. A história acompanha três estudantes que resolvem fazer um documentário sobre uma falecida bruxa que vivia na floresta de Burttksville, na cidade de Maryland. Eles entram na floresta, e acabam se perdendo, e não demora para coisas muito estranhas e assustadoras acontecerem. As filmagens são encontradas um ano depois. Em nenhum momento do filme a bruxa aparece, nem ninguém; apenas ruídos, vozes e barulhos estranhos o suficientes para assustar todo mundo. A Bruxa de Blair deixa qualquer filme desse estilo no chinelo. É ver para crer. 












OUTROS FILMES NO ESTILO FOUND FOUTAGE:


Existem vários filmes sobre esse estilo, lançado em diversos países, de baixo orçamento e que nem tiveram lançamento mundial. Segue abaixo mais alguns filmes do gênero que merecem destaque. Não vi todos os filmes, e existem muito mais ainda, pode acreditar.


#) REC 
Lançamento: 2007


O filme que fez Hollywood voltar a lançar filmes no estilo Found Footage. REC é o filme mais assustador do gênero, com cenas de violência extrema, muita tensão e cenas de apavorar qualquer um. REC é o segundo melhor filme do gênero, para mim. Na história, uma estudante de jornalismo faz uma reportagem sobre o dia a dia dos bombeiros. Não atendendo somente casos de incêndios, uma chamada de uma mulher que está trancada em seu apartamento é anunciada, e junto com os bombeiros, a jornalista filma os acontecimentos. Ao chegar no prédio, descobrem algo que transforma os moradores, e os fazem atacar os outros  moradores, contaminando-os. Eles ficam presos no prédio, já que a policia os obriga a ficarem de quarentena. Em nenhum momento do filme eles falam em zumbis, como claramente parece ser; e sim, eles usam a "desculpa" de um sintoma da raiva, como a que os cachorros tem. Uma refilmagem foi feita pelos americanos, chamada de Quarentena, que resultou em Quarentena 2. Além disso, já foi lançado a continuação, REC 2, e em 2012, terá o lançamento de REC 3, e mais tarde, REC 4. 







 REC 2: POSSUÍDOS
Lançamento: 2009
Faturamento: EUA - U$ 27.766 mil | Mundialmente: U$18 milhões


Continuação do filme espanhol REC, lançado em 2007, REC 2 volta ao local de origem do primeiro filme, precisamente 15 minutos depois dos acontecimentos no prédio, mostrando uma equipe de resgate que volta ao lugar interditado, na possibilidade de desvendar o mistério, além de encontrar possíveis sobreviventes. Eles acabam descobrindo que o motivo é mais aterrorizante do que pensavam, e um a um virando zumbis, eles terão que tentar escapar do local. Utilizando a mesma técnica do primeiro, REC 2 tem mais sangue, violência e tensão (se o primeiro teve bastante, imagina esse), e ao invés de uma câmera, são duas, possibilitando uma edição melhor, resultando numa visão melhor do filme. Aqui surge uma nova explicação sobre o que aconteceu: rituais religiosos e satânicos; mas ainda comentam sobre a possibilidade de ser o vírus. Não tem o mesmo mistério e suspense do primeiro, já que sabemos o que está acontecendo, mas consegue dar sustos e deixar o espectador bastante tenso com as cenas.






O CAÇADOR DE TROLLS (Trolldejeren/ The Troll Hunter)
Lançamento: 2010 (Noruega)


Primeira pergunta que você deve ta pensando: que diabos é um troll? Um troll é uma criatura, geralmente gigante, feia, estranha, com uma ou mais cabeças, que fazem parte da cultura norueguesa. O Caçador de Trolls acompanha um grupo de estudantes que fazem uma pesquisa sobre caça de animais na floresta, especialmente ursos. Eles acabam encontrando um famoso "caçador de ursos" que na verdade é um caçador de trolls, e decidem segui-lo na sua caça à essas misteriosas criaturas. O filme de André Ovredal é impressionante, repleto de tensão e cenas de tirar o fôlego, sem falar dos incríveis efeitos especiais tão bons quanto os de Hollywood. É um filme que prende a atenção e nos transporta para a cultura norueguesa de uma forma espetacular. Só vendo para acreditar. O Caçador de Trolls foi um enorme sucesso no país de origem, e outras da Europa, e claro, Hollywood vai fazer uma refilmagem desse filme. Não tem previsão de lançamento nos cinemas brasileiros, mas está disponível na internet para download. Se puder, assista antes de estrear a refilmagem. 






ENTIDADE PARANORMAL (Paranormal Entity)
Lançamento: 2009


Entidade Paranormal é a mesma ideia usada em Atividade Paranormal, só que agora, os acontecimentos paranormais acontecem entre uma mãe e seus dois filhos, um homem e uma mulher. O filme é bem melhor do que o primeiro Atividade Paranormal. Mais coisas acontecem, mais sustos e cenas interessantes e tensas esperam pelo espectador; além da história ser um pouco mais elaborada. Quem gostou de Atividade Paranormal, vai gostar de Entidade Paranormal. 





MAIS FILMES DO ESTILO "FITA ENCONTRADA"

Não vi nenhum desses filmes abaixo, mas logo vou assistir, e postarei aqui no blog sobre eles. Os temas são bastante variados, e pena que muitos não foram reconhecidos mundialmente. Destaque para o filme Desaparecidos, que é brasileiro, e Alien Abduction, produzido um ano antes de A Bruxa de Blair, mas que não foi lançado mundialmente.