Pages

1 de mai de 2010

O País das Maravilhas de Tim Burton



Finalmente estreou um dos filmes mais esperados de 2010. Todos queriam saber como seria a imaginação de Tim Burton sobre o conto de Lewis Carol. Burton ja mostrou o que é capaz em vários filmes: Swenney Tood, A Fantástica Fábrica de Chocolate, A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, O Estranho Mundo de Jack, entre outros. Quando se falava em Alice no Pais das Maravilhas, todos pensavam que seria igual a história da Disney. Mas não é. A história se passa 10 anos após o desenho da Disney. O filme agradou bastante o público, mas a crítica não foi tão boazinha assim. Mas isso não deixou de fazer com que o filme batesse recordes de bilheteria. O filme estreiou em Março nos EUA e faturou U$$ 116 milhões na estreia; e já faturou mundialmente mais de U$$ 800 milhões.

Alice no Pais das Maravilhas de Tim Burton, se passa 10 anos depois do desenho da Disney. Ela, com 19 anos, foi pedida em casamento, mas disse que queria pensar mais sobre isso. Então ela seguiu o coelho branco, entrando pelo buraco. Já no país nas maravilhas, ela não se lembra de ter ido lá da outra vez, há 10 anos atrás. Os personagens ficam até na dúvida se ela é a verdadeira Alice. Depois que a Alice deixou o mundo das maravilhas, a rainha vermelha tomou conta de todo o lugar,  e Alice tem que destruir um monstro pra conseguir colocar a rainha branca de volta  no comando.  

O visual do filme é arrebatador, e incrivelmente belo, nos dando uma visão diferente do desenho. Os personagens ficaram perfeitos, maravilhosos, estranhos, no bom sentido, e por mais que a rainha vermelha seja do mal, ela foi uma das personagens que mais se destacou, com o seu enorme cabeção e que arrazou em todas as cenas do longa. As atuações não foram muito boas, a mais estranha e meio que não fazia falta no filme é a rainha branca, interpretada pela belíssima Anne Hathaway. Ela com aquela mãozinha virada pro lado e o jeito "muito" doce e meigo, foi meio que desnecessário. Johnny Deep estava bem, mas seu personagem parecia mais com o Jack Sparrow, de Piratas do Caribe. E Alice, interpretada pela Mia Wasikowska, tava meio sonsa, mas fez bem o papel. A única mesmo que foi sensacional é a Helena Bonhan Carter, a rainha vermelha, que é a atual esposa de Tim Burton: a sua cabeçona, o seu jeito mal que nem parecia ser do mal, e a vontade de sempre "cortar as cabeças", deixou a personagem engraçadíssima. E ainda tem os irmãos gordos e baixos, que são engraçados, bizarros, mas muito legais. Aliás, bizarro é tudo no filme de Tim  Burton, mas bizarro no bom sentido. Não se pode deixar de fora os personagens digitais. Deles se destaca, claro, o gato, que estava doce, tão bonitinho que dava vontade de pegar e criar ele. O figurino, os personagens, o visual, o lugar todo, estavam belíssimos, sombrios, bizarros, assustadores, bem do estilo de Tim Burton. Não vai assistir Alice com a espectativa de ser igual a do desenho original. É uma versão bem diferente, e muito melhor do que a da Disney: mais sombria, mais bela, mais assustadora e com mais monstros. O filme de Tim Burton é um show de visual incrível, e é isso é o melhor do filme; e claro, a rainha vermelha, que deu um show em todas as cenas que apareceu.








































Nenhum comentário:

Postar um comentário