Pages

30 de jan de 2011

Deixe-me Entrar


Os americanos adoram uma refilmagem, não é? Como já disse em outros posts sobre o assunto, acredito que os estudios de Hollywood estejam sem idéias para novos filmes. Será que é verdade? Ou então, eles acharam o filme ótimo, mas como muita gente não viu, eles querem que faça sucesso (isso serve para os filmes antigos, que eles devem imaginar como seria a recepção nos dias de hoje). Independente disso, refilmagens, ou remakes, existem e sempre vão existir; e muitas vezes são péssimos porque mudam muito. O filme escolhido da vez é o sueco Deixa Ela Entrar (Let The Right One In), lançado em 2008, que fez um enorme sucesso por lá. Entitulado de Deixe-Me Entrar (Let Me In), o longa é dirigido por Matt Reeves, o mesmo diretor de Cloverfield - Monstro. Mesmo sendo praticamente iguais, se percebe a diferença, principalmente nos costumes, já que são de dois países diferentes.


Owen (Kodi Smit-McPheenbsp) é um garoto solitário, com problemas psicológicos, e que é atormentado por alguns colegas da aula dele. Uma garotinha se muda para o prédio onde ele mora, Abby (Chloe Grace Moretz), e os dois começam uma forte amizade. Ao mesmo tempo, assassinatos começam a acontecer na cidade, e cada vez que se ele se aproxima de Abby, acaba descobrindo o terrível segredo que ela esconde.



Devo dizer que essa refilmagem ficou ótima. O diretor manteve vários elementos do filme original: a historia, o enredo, os acontecimentos, os personagens, tudo. Mesmo sendo praticamente igual, consegue-se perceber facilmente as diferenças. Os famosos diálogos grosseiros americanos, assim como o "exagero" de efeitos especias, mas deu um clima mais assustador do que o original. Percebe-se melhor os movimentos da guria vampira, assim como os ataques mais violentos e rápidos. Como você pode perceber, a violência é maior, o que era de se esperar: as cenas são mais violentas e com mais sangue, perdendo todo o charme do original; mas com isso, o ritmo do filme não tão parado. E por fim, o clima sombrio e melancólico do original é melhor do que a refilmagem.


Apesar de ser muito parecido com o original, o diretor mudou algumas coisas. O início é diferente, e tem aquele mistério que será revelado mais para o final. Outra coisa que mudou foi a cena do vestiário, onde o assassino é encontrado: no remake, acontece num acidente de carro. Os nomes dos personagens também mudaram: o menino se chamava Oskar na versão sueca, e no remake, se chama Owen; assim como a menina, que agora é Abby, e no original era Eli. A versão americana deixou mais claro o mistério do adulto que acompanha a menina vampira, sobre o que ele é; já a original não, deixando o espectador descobrir. 



A versão original é muito melhor do que o remake americano, isso é obvio. Mas também não é uma porcaria e é tão bom quanto o primeiro: manteve a mesma história, os personagens e os acontecimentos do original. Mas o clima do primeiro é bem mais assustador, e sem falar da atuação das crianças, que na versão sueca, é muito melhor. Quem viu a versão original, é interessante assistir a versão americana para ver as diferenças. Quem não viu a original, assista, que vale muito mais a pena. No final, não é um filme ruim, e consegue ser tão bom quanto o original, mas claro, é bem inferior a versão sueca.


Leia sobre a versão original aqui: http://paulo-am.blogspot.com/2011/01/deixa-ela-entrar-versao-original.html


TRAILER











Um comentário: