Pages

25 de abr de 2011

Nova Década, Novas Regras

Antes de tudo, quero pedir desculpas pela demora para atualizar o blog. Primeiro porque eu estava sem tempo; e segundo porque a internet estava muito ruim: ficava caindo toda hora, fiquei três dias sem net (devido aos temporais), depois a net ficava caindo TODA HORA, e por fim, a net não funcionou mais. Fiquei o feriadão todo sem internet! Peço desculpas, novamente, mas já tenho vários posts prontos. Obrigado pela atenção, e vamos para a postagem. E adivinha que filme eu fui prestigiar nos cinemas: o TÃO ESPERADO Pânico 4.


Há 15 anos estreava nos cinemas um filme que revolucionou o gênero do terror: Pânico (Scream, 1996). O sucesso foi tão grande que, além de conquistar inúmeros fãs, resultou em uma trilogia lançada em 1998 e 1999. Um dos principais atrativos dessa trilogia era descobrir quem eram “os assassinos”, se baseando em suas atitudes, e as pistas eram buscadas nos filmes de terror lançados até então. Uma década depois, recebemos a notícia que um quarto capítulo da trilogia Pânico estava por vir, mas não só mais um, e sim outra trilogia. No dia 15 abril de 2011 a espera acabou, e os fãs poderiam prestigiar o quarto capítulo da incrível trilogia. Mas o medo era se Pânico 4 iria ser realmente bom... e o resultado: o longa dirigido por Wes Craven, o mesmo que dirigiu a outra trilogia, superou todas as expectativas.


Nada melhor de recomeçar um novo capítulo voltando ao início de tudo. A história de Pânico 4 se passa em Woodsbooro, terra natal onde Sidney Prescott viveu seu maior terror, no primeiro longa. Sidney (Neve Campbel) retorna à Woodsboro para lançar seu livro “Como Sair da Escuridão”. Ela reencontra o policial Dewey (David Arquette) e a repórter Gale Weathers (Courtney Cox), que agora são casados e moram na cidade. Junto com Sidney, o assassino gosthface retorna para a cidade, e um novo massacre começa; mas dessa vez, Sidney é a coadjuvante na história, e o assassino começa a ir atrás de sua prima Jill (Emma Roberts) e seus amigos. Novas regras se aplicam no quarto capítulo, e juntos, eles têm que desvendar os crimes se baseando nos remakes do cinema (o novo clichê), e também nos filmes inspirados no massacre de Woodsbooro, Stab.


Pânico 4 começa com uma brincadeira não muito feliz, mas logo começa o filme, realmente. O diretor manteve os mesmos elementos dos anteriores, mas agora, foram atualizados, e isso foi um dos acertos; logo explicarei como isso acontece. Outro acerto foi à história se passar na cidade onde se passou o primeiro filme, para que a nova geração presencie na pele o que aconteceu com a geração anterior. Manter os personagens originais também foi um acerto, e ganhou mais pontos por eles não serem os personagens principais nos assassinatos; mas não quer dizer que eles não possam ser as vítimas também. Neve Campbel, David Arquette e Courteney Cox retornam aos papeis de Sidney Precott, Dewey Riley e Gale Weathers, respectivamente. A melhor atuação foi de Neve Campbel, que conseguiu ser bem mais madura e segura do que os outros filmes. Apesar de estar meio depressiva e perdida no início, e desaparecer lá para o final do filme, Gale conseguiu retornar as raízes de sua personagem do primeiro longa, a destemida e investigativa repórter que lhe deu fama. Dewey continua o mesmo atrapalhado policial.


Como disse antes, o quarto capítulo ganhou atualizações: nova década, novas regras. Novos personagens entram na história, que são as vítimas principais do assassino: Jill (Emma Roberts), Kirby (Hayden Panettiere), Charlie (Rory Culkin, irmão do ex-astro mirim Macaulay Culkin), Trevor (Nico Tortorella), detetive Hoss (Adam Brody) e Robbie (Eric Knudsen). O meio que os jovens da atualidade mais utilizam é a internet, e Pânico 4 tira proveito disso, sendo essa uma das atualização do filme. Celulares atuais, internet e filmagens: Pânico 4 abusa das mídias atuais e consegue se sair muito bem. Exemplo disso é um detalhe em uma das cenas (essa cena aparece no trailer e não tem nada de revelador, não se preocupem): Gale chega para Dewey esperando que ele conte o que aconteceu (querendo dar uma de que "o marido não fala a verdade"). Ele diz que não é informação pública, e Gale rebate: mas já está na internet. E ainda tem um personagem que anda sempre com um microfone que tem uma câmera. O diretor utilizou os mesmos recursos usados na primeira trilogia, e ainda conseguiu reinventar o filme, de acordo com a nova geração. Além disso, o longa faz uma brincadeira com os filmes lançados na década de 2000: as refilmagens. Essa referência também aparece na trilogia anterior, mas são sobre os filmes de terror antigos.




O enredo é super moderno, cheio de suspense e nos leva a um final ótimo e surpreendente, talvez a melhor, que lembra muito a cena final do primeiro Pânico. Quando pensamos que vai acabar, o final ganha um novo rumo, totalmente diferente dos outros; nova década, novas regras. O mais legal da série Pânico é adivinhar os assassinos (são sempre dois, com exceção do terceiro filme). Dessa vez, até os mocinhos são suspeitos, assim como eles podem morrer; nova década, novas regras. O motivo dos assassinos é completamente louco, além de ser super atual, mas nada que estrague a trama. Aliás, a revelação dos assassinos é surpreendente, e as minhas suspeitas foram todas erradas. Pânico 4 consegue se reinventar e se colocar no gênero do terror onde esse mesmo já está batido e cheio de remakes, lembrando que o filme critica todos os remakes. Quem espera carnificina, sangue e violência, marcas registradas da série, vai ficar feliz. Falando nisso, as famosas perseguições e as cenas dos assassinatos são muito boas, e as melhores de toda a série. Tem também bastante humor e piadas inteligentes, além de situações e cenas de dar gargalhadas. Pânico 4 é divertimento na certa, e consegue a façanha de agradar os fãs dos anos 90, e também consegue inserir toda a geração atual, ativa na mídia e internet. E que venha a segunda parte da nova trilogia. 











4 comentários:

  1. Gostei muito do seu blog! ;)

    E eu também gostei do filme, é mais engraçado que assustador, mas é isso mesmo que faz o filme funcionar.

    http://cinelupinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto e sem spoilers, muito bom. Só não concordo na parte que você falou que 'as famosas perseguições e as cenas dos assassinatos são muito boas, e as melhores de toda a série'. O filme tem cenas de morte inovativas como a do estacionamento, a revelação na casa de Kirby e o desfecho no hospital, mas os dois primeiros filmes ainda detém - pelo menos pra mim - as mortes e perseguições mais criativas. O que senti falta nesse 4º filme foi justamente o suspense mais elaborado, perseguições maiores e torturas extensas, mas adorei o timing comíco, bem na medida - coisa que o 3º não soube fazer.

    ResponderExcluir
  3. eu fui assistir panico 4 no cinema amei o filme mas fiquei encantada com o ator Rory Culkin que particularmente foi o melhor ator do filme

    ResponderExcluir
  4. eu tenho todos filme panico e ja consegui baixar o 4

    ResponderExcluir